Lar minimalista se camufla na natureza

Simplicidade e materiais crus nos alpes italianos

minimalista

Um jogo de articulações precisas, pensadas com antecedência e estudadas nos mínimos detalhes. Não é que o designer Harry Thaler tenha atuado com ourivesaria no início de
sua carreira. A casa que projetou para um casal de amigos com filhos pequenos nos alpes do Tirol do Sul, em Bolzano, na Itália, é a transposição em grande escala dos seus princípios criativos: exatidão e funcionalidade, décor minimalista, calor transmitido pelos materiais escolhidos e a qualidade do projeto em si.

O tema que inspirou esta obra “100% Thaler” – como ele mesmo a define, e da qual assina também a mobília – é a natureza, o contexto de paisagem empolgante e a vegetação espontânea onde a casa estava destinada a aparecer.O idealizador, natural daquela região, vive em Londres desde 2008. Com este trabalho, faz uma declaração de amor à sua terra natal. A madeira de lariço local usada para a fachada assume, como passar dos anos, uma tonalidade prateada que favorece propositalmente uma confusão entre a construção e o panorama que a circunda. Era esse o objetivo de Thaler: uma operação de mimetismo, que desviasse a atenção da residência. “Justamente porque neste terreno antes não havia nada.” Assim, foram tomadas as decisões de edificar a casa ao lado da colina, sem derrubar árvores, e de cobrir o teto com plantas.

minimalista2

As janelas exibem grandes molduras de madeira, montadas como assentos, com vista panorâmica. O jardim é parte integrante da casa: as mudanças das estações, as luzes e cores filtradas do exterior contribuem para redefinir os espaços internos. A linearidade do projeto, que corresponde às exigências de uma jovem família, permite não dispersar esse delicado equilíbrio alcançado em nome da natureza. A madeira onipresente, manuseada com maestria por artesãos da região, soma-se à pedra local, o pórfiro – no banheiro e na cozinha – e aos seixos do riacho próximo para proteger e dar maior estabilidade ao muro da construção na face norte, mais exposto ao mau tempo.

O coração da morada é a volumosa lareira construída como uma arquitetura dentro da arquitetura – uma indicação de separação entre o living e a cozinha, sem prejudicar a harmonia do ambiente. Atrás dela, a escada de madeira revela detalhes curiosos. Sob os degraus, gavetas de dimensões irregulares encontram seu espaço, enquanto boiseries adjacentes escondem um pequeno escritório. Toda a casa é marcada por nichos e detalhes ocultos. A sauna desaparece completamente atrás de um painel basculante de madeira, camuflada pelo teto, mantendo livre o cômodo dedicado ao relaxamento, que se abre para uma vista de tirar o fôlego.

Harry Thaler é modesto: “Não sou um arquiteto. Elaborei a ideia, desenvolvi os detalhes, e projetistas tornaram meu trabalho possível”, observa. O sucesso da empreitada, entretanto, é evidente. Os clientes, que queriam uma casa para passar as férias e os fins de semana, não conseguiram resistir e se mudaram definitivamente para lá. Nada poderia demonstrar melhor o êxito de um projeto.

Fonte: Casa Vogue

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: