“É essencial que as vinícolas, hoje, atraiam visitantes”, diz arquiteto espanhol

Prestes a projetar um museu do vinho em Bento Gonçalves, o premiado Jesús Marino Pascual fala da importância do turismo para o negócio do vinho
Com ares futuristas, a sede da bodega Irius é um dos projetos emblemáticos de Jesús Marino Pascoal. Foto: Divulgação

Com ares futuristas, a sede da bodega Irius é um dos projetos emblemáticos de Jesús Marino Pascoal. Foto: Divulgação

Esqueça a imagem da vinícola poeirenta, escura e com ares de filme de terror entre tonéis de carvalho. Transformadas em local de peregrinação pelos amantes de vinho, elas ganharam imponência e design dignos de templos modernos. Tudo para agradar, envolver e atraia ainda mais turistas. “No mundo todo, há uma grande cultura criada em torno do vinho, que atrai milhares de turistas. E as vinícolas não podem abrir mão disso”, afirma o arquiteto espanhol Jesús Marino Pascual, responsável pelos projetos do Museu da Cultura do Vinho Dinastia Vivanco e da bodega Irius, ambos na Espanha.

Vista da sede da Irius, em Barbastro (Huesca), na Espanha, durante o dia. Foto: Divulgação

Vista da sede da Irius, em Barbastro (Huesca), na Espanha, durante o dia. Foto: Divulgação

Para ter uma ideia da importância do investimento em estrutura, Pascual lembra que, em 2004, apenas três meses após a inauguração do Museu, o local já era o mais visitado na região, ultrapassando os Mosteiros de S. Millán de Yuso, onde se encontram os manuscritos de medievais mais antigos escritos em castelhano. E o crescimento é maior a cada ano. “Em Napa Valley (EUA) já se fala em 30% da produção sendo vendida diretamente na adega”, diz.

O projeto, iniciado em 2001, foi inaugurado em 2008. Foto: Divulgação

O projeto, iniciado em 2001, foi inaugurado em 2008. Foto: Divulgação

De olho no imenso potencial turístico, o Instituto Dal Pizzol deu início a uma série de conversas com o arquiteto para projetar um Museu da Cultura do Vinho em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. “Um empreendedor moderno não pode desprezar o enoturismo. Mas o visitante não viaja quilômetros só para tomar um cálice de vinho, ele quer se emocionar e se alimentar da cultura do vinho”, afirma Rinaldo Dal Pizzol, que batalha para que essa visão seja incorporada no País. Por sua vez, Pascual também decidiu apostar no mercado brasileiro. Há seis meses abriu um escritório em São Paulo e já comemora a aprovação de dois projetos residenciais em Caraguatatuba, no litoral paulista, e estuda a construção de um hotel no Rio Grande do Sul. Veja abaixo mais detalhes sobre a importância da arquitetura para as adegas modernas.

O arquiteto espanhol Jesús Marino Pascual

O arquiteto espanhol Jesús Marino Pascual

iG: Quais são os principais pilares que guiam o projeto de uma vinícola?
Jesús Marino Pascual: A arquitetura de uma vinícola mudou muito nas últimas décadas. Há 10 anos as vinícolas tinham que ser apenas funcionais, hoje, é essencial que elas atraiam visitantes. Elas eram apenas grandes galpões construídos sob a orientação de engenheiros agrônomos, com caves subterrâneas para o armazenamento dos vinhos. Agora, é preciso projetar a estrutura de forma que os visitantes possam ver todas as etapas de produção sem atrapalhar os trabalhadores. Os lugares precisam ser limpos, organizados e arejados. A iluminação deve ser projetada para passar a emoção e ao mesmo tempo não interferir no cuidadoso processo de elaboração do vinho.

O projeto de quase 30 mil m² teve investimento de mais de 90 milhões de euros. Foto: Divulgação

O projeto de quase 30 mil m² teve investimento de mais de 90 milhões de euros. Foto: Divulgação

iG: O senhor acredita que é possível conceber uma nova vinícola, hoje, sem prever o investimento em arquitetura?
Pascual: Digo que cada vinho vendido na adega vale por dois ou três no mercado, porque dali os consumidores saem com um envolvimento emocional que, de outra forma, dificilmente teriam com a marca. Nas vinícolas de última geração tudo é pensado para gerar emoção e transmitir o valor da marca. Da solidez arquitetônica à composição dos ambientes, espacialidade, relação com a paisagem e mensagem cenográfica. Mas se não tiver bons vinhos, também não vai adiantar.

Diferente das adegas antigas, hoje é preciso projetar a estrutura de forma que os visitantes possam ver todas as etapas de produção . Foto: Divulgação

Diferente das adegas antigas, hoje é preciso projetar a estrutura de forma que os visitantes possam ver todas as etapas de produção . Foto: Divulgação

iG: Tendo em vista a imponência e o cuidado arquitetônico de diversas adegas modernas, pode-se dizer que elas são as catedrais modernas?
Pascual: Há, sem dúvida, uma certa mística na produção do vinho e muito do respeito que se tem por esse trabalho pode ser transmitido pela arquitetura, até mesmo pelo tipo de ambiente que o vinho pede para se desenvolver: tranquilo, escuro e silencioso.

As barricas ainda descansam no subsolo, mas em ambientes arejados, organizado e com iluminação controlada. Foto: Divulgação

As barricas ainda descansam no subsolo, mas em ambientes arejados, organizado e com iluminação controlada. Foto: Divulgação

iG: Alguns projetos muito arrojados acabam gerando polêmica por destoarem da paisagem bucólica das plantações. Como o senhor vê isso?
Pascual: Fazer um projeto grande, que vai mexer com a paisagem de todos, é sempre problemático. E é preciso conversar com as comissões do Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental para chegar a um acordo. De qualquer forma, um bom projeto deve ser harmonioso com o meio ambiente em que está, seja na cidade ou no campo. Além de ser funcional e coerente com a história daquela cultura e região. É preciso que ele engrandeça e não estrague o espaço. Ressalte a natureza e, ao mesmo, tempo reforce a presença da vinícola e o trabalho do homem sobre as uvas.

Museu da Cultura do Vinho Dinastia Vivanco: três meses após a inauguração, em 2004, já era o local mais visitado de Rioja. Foto: Divulgação

Museu da Cultura do Vinho Dinastia Vivanco: três meses após a inauguração, em 2004, já era o local mais visitado de Rioja. Foto: Divulgação

iG: É preciso entender de vinho para projetar boas vinícolas?
Pascual: Estou muito envolvido nessa cultura, tenho minha adega particular em casa, mas estou longe de ser um enólogo. Acredito que eles estejam em outro patamar de capacidade e sensibilidade muito diferentes de mim. Depois que quebrei o nariz jogando futebol não sou capaz de distinguir muitos aromas.

No projeto do museu foi possível transmitir toda a reverência e importância do processo de fabricação do vinho. Foto: Divulgação

No projeto do museu foi possível transmitir toda a reverência e importância do processo de fabricação do vinho. Foto: Divulgação

iG: O senhor participou recentemente de uma palestra a convite da incorporadora Idea!Zarvos. Podemos esperar novos empreendimentos com adegas privadas?
Pascual: Não seria má ideia, mas ainda não temos nada previsto. Na Catalunha, de onde venho, toda casa de alto padrão tem sua própria cave, normalmente ligada a uma sala de refeições, onde as pessoas se reúnem em torno de do vinho e da comida.

A estrutura de quase 7.5 mil m² do museu abriga toda a história da cultura vitivinífera da região. Foto: Divulgação

A estrutura de quase 7.5 mil m² do museu abriga toda a história da cultura vitivinífera da região. Foto: Divulgação

Unindo função e estética, o projeto da bodega Darien, em Rioja, funde-se à paisagem. Foto: Divulgação

Unindo função e estética, o projeto da bodega Darien, em Rioja, funde-se à paisagem. Foto: Divulgação

No interior, o projeto prioriza a eficiência energética e a iluminação cenográfica. Foto: Divulgação

No interior, o projeto prioriza a eficiência energética e a iluminação cenográfica. Foto: Divulgação

Nas vinícolas de última geração tudo é pensado para gerar emoção e transmitir o valor da marca. Foto: Divulgação

Nas vinícolas de última geração tudo é pensado para gerar emoção e transmitir o valor da marca. Foto: Divulgação

Bodega Antion, em Elciego (na região de Álava, na Espanha): desafio para conciliar arquitetura e a região. Foto: Divulgação

Bodega Antion, em Elciego (na região de Álava, na Espanha): desafio para conciliar arquitetura e a região. Foto: Divulgação

Com quase 15 mil m², a adega tem boa parte de sua construção no subterrâneo. Foto: Divulgação

Com quase 15 mil m², a adega tem boa parte de sua construção no subterrâneo. Foto: Divulgação

Como uma catedral moderna, a nave de armazenamento das barricas dá a dimensão da grandiosidade do negócio. Foto: Divulgação

Como uma catedral moderna, a nave de armazenamento das barricas dá a dimensão da grandiosidade do negócio. Foto: Divulgação

Produção e visitantes ocupam níveis diferentes da estrutura para que um não interfira na dinâmica do outro. Foto: Divulgação

Produção e visitantes ocupam níveis diferentes da estrutura para que um não interfira na dinâmica do outro. Foto: Divulgação

Fonte: iG São Paulo – Por Juliana Bianchi

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: